mar
4
2021
por Isabela Sanchez e Raphael Calais
0 comentários

A Importância de Uma Boa User Story no Desenvolvimento do Produto

A Importância de Uma Boa User Story no Desenvolvimento do Produto
por Isabela Sanchez e Raphael Calais
0 comentários

A experiência do consumidor tem ganhado destaque e se torna cada vez mais importante para o sucesso das empresas, mudando a maneira como devemos criar projetos e produtos. Essa realidade tornou praticamente impossível dar início a um planejamento sem levar em conta uma boa e detalhada User Story.

O que é uma User Story?

A “História do usuário” é o pontapé inicial que seu projeto precisa e que ajuda a definir os detalhes sobre as necessidades de quem vai usar um produto ou serviço.
Uma boa User Story é uma descrição simples, clara e concisa que cabe em um pequeno cartão e não é tudo o que você precisa para dar andamento ao desenvolvimento, mas é o primeiro passo e o lembrete do que é necessário, devendo ser seguido de diversas etapas e conversas entre o Product Owner, os membros do time e, claro, os usuários.

Quais as vantagens das histórias de usuários?

Já deu para entender um pouco sobre a importância de ter seu desenvolvimento focado nas necessidades reais e práticas do usuário, baseado em User Stories, mas o que isso implica na prática?

Ao adicionar essa etapa em seus processos você pode observar algumas vantagens:

  • Validação de funcionalidades antes de sua inclusão.
  • Análise das necessidades reais do usuário.
  • Visão ampla dos problemas e dores do usuário.
  • Definição mais clara de prioridades.
  • Foco na solução.
  • Facilidade para organizar a equipe necessária, o tempo estimado e o esforço para implementar as funcionalidades.
  • Melhora no trabalho em equipe.
  • Redução de tempo e desperdício.

Como é uma User Story?

As histórias de usuários seguem basicamente 3 aspectos ou “3 C’s”:

Cartão:

É a descrição propriamente dita da necessidade do usuário, normalmente responde às perguntas:

  • Quem quer?
  • O que quer?
  • Para que?
Exemplo de cartões de User Story: eu, enquanto (quem), quero (o quê), para (por quê).
Conversas:

São literalmente as conversas nas quais são discutidos os detalhes da solução de negócios, tal qual geram a compreensão do que é realmente necessário como funcionalidade. Normalmente acontecem entre o Product Owner, membros do time de Desenvolvimento e outras pessoas de negócio.

Confirmação:

São os Critérios e Testes de Aceitação que documentam os detalhes da User Story e estabelecem como as funcionalidades devem se comportar quando implementadas. Os Critérios de aceitação devem ser pequenos, assim como de fácil entendimento e são utilizados para determinar quando uma entrega está pronta, ajudando o Product Owner a determinar para o Time de Desenvolvimento o que ele precisa para que as funcionalidades propiciem valor. A partir desses Critérios, o Time de Desenvolvimento gera os Testes de Aceitação.

Comece a criar boas User Stories!

Bill Wake, autor do livro “Extreme Programming Explored”, definiu algumas características para a criação de boas histórias do usuário com a criação do acrônimo INVEST:
 
Independent (independente): ao criar várias User Stories, é ideal que elas sejam o mais independentes possível e não dependam uma da outra.

Negociable (negociável e negociada): as histórias não são imutáveis! O que importa é sua essência, os detalhes devem ser definidos nas conversas (3 C’s mencionados anteriormente).

Valuable (valiosa): o mais importante é a entrega de valor para o cliente. Mesmo as menores User Stories devem representar funcionalidades.

Estimable (estimável): devem haver detalhes técnicos e de negócios devem possuir detalhes suficientes para transformar a User Story em uma parte do produto.

Small (pequena): pequenas histórias têm maior precisão nas estimativas.

Testable (testável): é necessário que se possa verificar e confirmar que a User Story está pronta e está funcionando! Os testes possibilitam a “Confirmação” dos “3 C’s”.

Então… User stories sempre são pequenas?

Falamos bastante sobre a importância de criar histórias resumidas, mas em sua origem elas podem ser grandes, para depois serem divididas em pequenas histórias a serem estimadas individualmente. Entenda melhor:

Épicos: são as User Stories muito grandes ou sem detalhes suficientes que permitam seu desenvolvimento individual. É basicamente uma história de escopo aberto que dará origem a uma carga maior de desenvolvimento ou que irá se subdividir com a criação de diversas User Stories.

Tema: quando são criadas várias histórias relacionadas, as mesmas podem ser agrupadas em “Temas”. Elas podem ter origem no mesmo Épico ou ter a mesma meta de negócio, por exemplo.

O desenvolvimento das histórias se dá antes do início do projeto e conta com a participação de todos da equipe, com o objetivo de criar um Backlog do produto que descreva a funcionalidades a serem adicionadas ao longo do ciclo. Durante todo o processo novas histórias podem ser escritas e adicionadas a qualquer momento e por qualquer pessoa, sempre levando em consideração as características INVEST.

Desenvolver a história do usuário é obrigatório?

Na teoria seu time não é obrigado a desenvolver User Stories, mas a importância do design centrado no usuário e seu impacto positivo nos negócios (LINKAR COM O TEXTO) reforça a necessidade dessa etapa em seu planejamento.

“Não há nada tão inútil do que fazer com grande eficiência, aquilo que não deveria ser feito.” Peter Drucker

Levando em conta o User Experience, não podemos deixar de considerar essa frase e o conceito de eliminação de desperdício do Lean, que guiam para a entrega de resultados, ao invés de funcionalidades.

A criação de User Stories ajuda a definir o desejo do usuário final e aumenta a assertividade do trabalho de toda equipe.

Conclusão

As etapas para criar um produto centrado no usuário são inúmeras e devem ser sempre avaliadas caso a caso, mas as User Stories são de extrema importância para dar o Start no planejamento e definir as metas desejadas. Além disso, as histórias servem também como uma forma de documentar processos e registrar as atividades desenvolvidas, servindo como referência para novos desenvolvimentos.

Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Mande sua pergunta pra gente! Vamos adorar te ajudar!

Saiba mais sobre nossos serviços em Lean
fev
25
2021
por Ariane Prado e Raphael Calais. - Revisão por Isabela Sanchez
0 comentários
Torre de Lean

Como o Design Centrado no Usuário Pode Impactar Seu Negócio

Como o Design Centrado no Usuário Pode Impactar Seu Negócio
por Ariane Prado e Raphael Calais. - Revisão por Isabela Sanchez
0 comentários
Torre de Lean

O design centrado no usuário tem se destacado em empresas de todos os tipos. Cada vez mais as empresas inovadoras acrescentam em seus valores as necessidades do usuário e alavancam suas vendas, enquanto empresas que não incluem a experiência do usuário em seus valores tendem a ter mais dificuldade de prosperar e evoluir.


Quem é o UX Designer?

Segundo Don Norman, fundador do NN Group, o UX (ou experiência do usuário) envolve muito mais que o design do produto e seu desenvolvimento, o termo engloba o modo como qualquer usuário interage com o mundo ao seu redor.

Sendo assim, o design vai além da estética e efetua um papel ativo como ferramenta para a construção de soluções, passando pela identificação dos problemas, dores e necessidades do usuário, a criação de protótipos que serão testados e receberão feedbacks para que no fim aconteça uma reavaliação. Este processo manterá o conteúdo do projeto sempre atualizado e funcional.

Estamos aqui falando de uma das funções do UX Designer (vulgo User Experience Designer). Seu papel é essencial, podendo até mesmo participar das decisões de negócios e ajudar na priorização de demandas.
Infelizmente, muitas empresas têm dificuldades em construir uma visão centrada no usuário que gere impacto e transforme de fato a forma que o produto é enxergado.

Figura Double Diamond mostrando o processo de trabalho no UX
Double Diamond é uma forma do UX organizar seu trabalho antes de criar um protótipo para ser testado.

Objetivo do User Experience ou Design Centrado no Usuário.

A verdadeira experiência do usuário vai além de vender aos clientes o que eles dizem querer.
Para a experiência do usuário ocorrer da melhor forma, é preciso atender as necessidades específicas do consumidor sem que haja confusão ou algum tipo de incômodo. Essa tarefa necessita de serviços de disciplinas como engenharia, marketing, design gráfico e industrial, design de interface, entre outros, unidos para apostar na simplicidade e assertividade no desenvolvimento de produtos, serviços ou de sistemas fáceis de usar.

Pensar com foco no cliente é atentar-se às suas emoções e estar alinhado com os sentimentos que o usuário tem enquanto está em contato com a marca, aproximando o cliente de maneira eficiente e criando uma verdadeira cultura centrada no usuário dentro de sua empresa.

Uma porta sem ux e uma com ux. No caso a sem ux está escrito puxe, mas esta sem o puxador.
Às vezes alguns erros graves passam despercebidos por não terem sido testados.

Vantagens de aplicar User Experience na sua empresa.

Em termos simples, o UX tem o objetivo de encantar pessoas e deixá-las mais felizes na usabilidade de algum produto ou serviço, podendo render vantagens valiosas, como:

Aumento da conversão nas vendas

Se um cliente em potencial tem uma boa experiência antes da decisão de compra, claramente também têm mais chances de converter e comprar de fato.
Em um cenário digital: se o usuário que se sente satisfeito com a experiência de navegação de um site ou até mesmo com os mecanismos de botões antes de efetivar a compra, existem maiores chances de ele converter e tornar-se um cliente. Ou seja, facilitar e deixar essa jornada mais intuitiva é um grande diferencial para ter mais conversõ

Fidelização

A fidelização de um cliente ou usuário passa a se tornar realidade quando ele se sente totalmente à vontade, seja com o sistema de navegação de um site ou com a usabilidade de um produto ou serviço. Uma vez fidelizado, é bem provável que ele não busque opções em outros sites e nem novos produtos com outras marcas.

Economia de recursos

Basicamente, ao analisar a experiência do usuário, é possível fazer um planejamento mais inteligente. Isso reduz as chances de retrabalho, diminuindo também os custos e tempo dos profissionais envolvidos.

Maior valor percebido pelo cliente

O valor percebido pelo cliente trata-se da sensação que vem acompanhada com a aplicação eficaz do UX na experiência de usabilidade dele.
É importante destacar que o valor percebido não tem relação direta com custo, mas sim com o sentimento após a experiência com a sua marca, que pode ser influenciado pela qualidade da informação recebida em um site, quantidade de funcionalidades úteis de um aparelho eletrônico, ou até mesmo pelo custo-benefício de algo comprado.
Na prática: sabe quando você prefere pagar um pouco mais caro por algo porque é fã da marca e fica feliz por se relacionar com ela? Esse é o valor percebido pelo cliente.

O trabalho de UX ajuda a melhorar a imagem da sua marca, afinal uma imagem positiva, uma experiência marcante e um bom produto são palavras chaves no branding de qualquer empresa prolífera.

Recomendações e indicações

Um cliente ou usuário satisfeito (seja com a navegação de um site, processo de compra ou experiência de usabilidade de um produto) vai estar propenso a fazer recomendações da empresa que proporcionou uma melhor experiência.
O cliente fiel, por ter sido feliz em todo o processo de compra – desde pesquisa, avaliação da solução, atendimento, etc. – também pode se tornar um defensor da marca, fazendo indicações e ressaltando benefícios

Aqui falamos de lovemark. Uma relação onde o cliente enxerga a empresa como parceira.


Como aplicar o UX e as práticas do design centrado no usuário em sua empresa?

A prática do User Experience exige tempo, testes e muito esforço. Além do mais, os componentes do UX podem variar de acordo com o seu negócio, entretanto, existem três pontos chaves para direcionar uma estratégia de experiência do usuário com sucesso:

Pesquisa de mercado

As pesquisas ajudam a determinar quem é seu cliente ideal e são sempre bem-vindas. Aplicando isso no UX, é possível categorizar o público de acordo com o comportamento em seu site ou aplicativo, por exemplo.
Descubra quem são os usuários que estão convertendo mais, os que ficam mais tempo e também aqueles com altas taxas de rejeição.

Foco no usuário

Uma boa estratégia de User Experience precisa ser voltada totalmente para aquele que usará seu site ou aplicativo. Então, além de uma interface visualmente agradável, ela também precisa ser útil e intuitiva ao consumidor.
Profissionais de vendas e atendimento que possuem contato direto com o consumidor, por exemplo, podem fornecer dicas valiosas! Ideias para que as estratégias de experiência do usuário atendam suas necessidades e expectativas.

Testes

É válido reforçar que a melhor maneira de colocar em prática o User Experience é fazendo e analisando testes.
Tenha em mente que, testar a usabilidade é uma etapa fundamental antes de implementar seu layout definitivo. Afinal, a estrutura do seu projeto e o tipo de navegação que oferece pode definir se o usuário vai concluir uma tarefa ou não.
Testes frequentes irão ajudar a melhorar a usabilidade do projeto. Logo, você terá mais clientes satisfeitos e prontos para voltar a fazer negócio com você.
Com o passar do tempo, os problemas irão diminuir e sua plataforma ficará mais intuitiva.
Dica: continue fazendo pequenos testes! Sempre existe algo a ser ajustado.
O usuário precisa estar no centro das decisões. Mantenha o foco nas pessoas e nos sistemas e resolva os problemas certos!


Quer saber mais sobre o nosso trabalho na torre de Lean aqui na PerformaIt?

Serviços na Torre de Lean

Te ajudamos a entender melhor Design Centrado no Usuário? Comente com a gente o que achou do texto!

Compartilhe